terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Tratamento

Meu Tratamento - Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

Quando fui internada, o médico já fez uma programação pra mim de tipos de remédios que iria usar na quimioterapia. Segundo ele, para cada paciente é diferente, porque interfere idade, vicios, sistema imunológico, e etc, etc...
Pode ser que esses remédios não combinassem com meu corpo, aí o médico teria que substituir por outros. Mas graças a Deus, não precisou.

A minha quimioterapia fico dividida em 2 partes, que eu teria que fazer 4 vezes. Ou seja, 1-1, 1-2, 2-1, 2-2... e assim por diante!
Agora terminei de fazer o 3-2. O que demora são os intervalos de cada um! Porque depende do corpo de como ele vai reagir e de quanto tempo ele demorará pra reagir. No meu caso, demora de 2 a 3 semanas mais ou menos esse intervalo.

Em cada quimioterapia, os glóbulos brancos, glóbulos vermelhos, e as plaquetas abaixam de vez, deixando meu corpo fraco. É por isso que todo cuidado é pouco! Facilmente posso pegar uma simples gripe, ou infecção, o que pode ser fatal.

Na medida que vai abaixando esses valores, o médico vai controlando pelo exame de sangue. Quando atinge um certo limite, vou recebendo transfusões de plaquetas e glóbulos vermelhos(Isso em cada etapa da quimio, por isso que é importante a doação de sangue). Os glóbulos brancos, é através de injeções. Conforme vai passando, a "grande fábrica de sangue" (medula óssea) começa a produzir por si, e aumentando esses valores.

Faço dia sim e dia não o exame de sangue, e todo começo da quimioterapia faço o exame da medula óssea. O objetivo é manter menos que 5 % da doença, e até agora o meu está controlado. Uma vez que nunca chega o valor 0, sempre fica alguma coisa, mas é tão pouquinho que não afeta nada no corpo!
Mas nunca poderei doar sangue, ou medula óssea, já que pouco se sabe dessa doença também.

Quando me recupero de cada quimio, meu corpo fica normal. Mas durante os intervalos me dá algumas dores musculares e nos ossos, por causa dos glóbulos brancos que estão aumentando. Ás vezes moleza no corpo quando preciso de glóbulos vermelhos.

A primeira sessão de quimioterapia foi difícil, porque não sabia que tipo de efeito colateral poderia dar em mim, uma vez que cada pessoa tem um tipo diferente de efeitos colaterais. Na segunda em diante, já fica mais fácil, pois já toma remédio pra previnir, e meu corpo já fica mais acostumado com os medicamentos. E a parte psicológica também melhora.

Há um grupo de células na medula óssea, que são 5 componentes eu acho. O meu um chamado linfócito B que é o ruim. Ele substituia os bons, e se espalhava pelo meu corpo, como se fosse um espião desfarçado! (risos)
E não tem como matar apenas esse espião, então tem que matar todos! É por isso que a quimio "mata" todos os componentes do sangue.
Bem, eu expliquei com minhas próprias palavras, mas quem quiser saber mais, tá aí o site http://www.abrale.org.br/doencas/leucemia/lla.php

Transplante De Medula Óssea

Eu não sei se vou precisar ainda, vai depender dos resultados finais. Mas os médicos estão pensando na possibilidade, por causa de uma anomalia no cromossomos que acharam.

O transplante, pelo que o médico me explicou, é simples! O doador fica uns 5 dias mais ou menos internado, para fazer exames. Nada doloroso, pois é dada anestesia geral no doador, ou seja, ele dorme durante o processo. Aí é feita várias punções na medula óssea.
O tempo internação serve para fazer o exame de quanto que o corpo do doador aguentará de anestesia,  seu estado de saúde, e para se recuperar da doação. Depois disso, logo a medula óssea se recupera, e continua a vida normalmente.
O custo da doação é 0! O receptor é quem paga toda a dispesa médica, como as viagens ao local também.
O receptor, recebe o líquido da medula óssea do doador via soro, pela veia.
Quem quiser saber mais... http://www.abrale.org.br/doencas/transplante/index.php

Primeiramente, vou fazer o teste de compatibilidade com meu irmão ( mesmo pai e mãe), que pode ser 25% compatível. Se não for, vão ter que procurar no banco de medula óssea. Mas segundo os médicos, por eu ser descendente pura de japoneses, é mais fácil de achar aqui. Se fosse mestiça, teriam que procurar nos bancos internacionais de medula óssea.

2 comentários:

Donizeti disse...

Olá, Akina... Estamos todos torcendo por você aqui no Brasil...

Um grande abraço!

Keyla Junko disse...

eita.. já pensou se eu ou meus irmãos formos compatíveis com vc!??!! hahahahahhaha iríamos pro Nihon, matávamos a saudades de vc, conheceríamos o Rômulos e seus bebês e depois faríamos aquela festa para comemorar a sua "nova vida"!!! Já pensou!!??

Mas é.. se Deus quiser vc não vai precisar de transplantar nada de nada! :)